Televendas: 11 4226-5509
WhatsApp: 11 99948-2568
INDÚSTRIA
BRASILEIRA
ATENDEMOS TODO O BRASIL
E AMÉRICA LATINA
FABRICAMOS
SOB MEDIDA
FINANCIAMOS EM
ATÉ 48x via BNDES

Traço magnético de uma supernova é observado pela primeira vez

Um dos objetos cósmicos mais estudados de todos os tempos, a Supernova 1987A (SN 1987A) é uma estrela em extinção que apareceu há mais de 30 anos.

supernova
supernova

Pela primeira vez, astrônomos observaram diretamente o magnetismo de seus rastros, o que pode ser considerada uma grande conquista pela detecção que é capaz de fornecer informações sobre os primeiros estágios da evolução dos remanescentes de supernovas e o magnetismo cósmico dentro deles.

“O magnetismo que temos detectado é cerca de 50.000 vezes mais fraca do que um ímã de geladeira, diz o Professor Bryan Gaensler, diretor do Instituto Dunlap de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Toronto, no Canadá. E nós poderíamos medir esse de uma distância de cerca de 1,6 bilhão de bilhões de quilômetros “.

“Esta é a detecção precoce possível do campo magnético formado após a explosão de uma estrela maciça”, revela Giovanna Zanardo, do Centro de Pesquisa para a Rádio Astronomia da Universidade de Curtin e da Universidade da Austrália Ocidental.

Para esse feito, foi utilizado o conjunto compacto do telescópio australiano no Observatório Paul Wild, onde Gaensler e seus colegas observaram o campo magnético estudando a radiação que vinha do objeto.

Quando eles analisavam as propriedades dessa radiação, foi possível rastrear o campo magnético. De acordo com o estudo publicado, a imagem mostra como seria se você pudesse espalhar limalha de ferro sobre a nuvem de detritos em expansão, a 170.000 anos-luz de distância.

O que eles descobriram foi que o campo magnético do remanescente não era caótico, mas já mostrava certo grau de ordem. “Em uma idade tão jovem”, diz Zanardo, “tudo no resto estelar se move incrivelmente rápido e muda rapidamente, mas o campo magnético parece bem ordenado para a borda da concha”.

Andressa Luz