Televendas: 11 4226-5509
WhatsApp: 11 99948-2568
INDÚSTRIA
BRASILEIRA
ATENDEMOS TODO O BRASIL
E AMÉRICA LATINA
FABRICAMOS
SOB MEDIDA
FINANCIAMOS EM
ATÉ 48x via BNDES

Seu cérebro contém partículas magnéticas

Cientistas alemães querem entender o por quê

Em um laboratório remoto na Alemanha, livre da poluição generalizada encontrada nas cidades, os cientistas estudam fatias de cérebros humanos.

A localização isolada do laboratório, a 80 quilômetros de Munique, dá aos pesquisadores a oportunidade de examinar uma peculiar bizarra do cérebro: a presença de partículas magnéticas dentro dos tecidos do órgão.

cérebro com ímãs
cérebro com ímãs

Os cientistas sabem desde a década de 1990 que o cérebro humano contém essas partículas, mas os pesquisadores não sabiam o porquê. Alguns especialistas propuseram que essas partículas tinham algum propósito biológico, enquanto outros pesquisadores sugeriram que os ímãs eram provenientes da poluição ambiental.

Agora, os cientistas alemães têm evidências para a explicação anterior. Em um novo e pequeno estudo que incluiu dados sobre sete cérebros pós-morte, os pesquisadores descobriram que algumas partes do cérebro eram mais magnéticas do que outras. Ou seja, essas áreas continham mais partículas magnéticas. Além disso, todos os sete cérebros do estudo tinham distribuições muito semelhantes de partículas magnéticas, sugerindo que as partículas não são resultado da absorção ambiental, mas servem a alguma função biológica, escreveu a equipe no estudo, publicado em 27 de julho na revista Scientific Report.

Os pesquisadores analisaram fatias de cérebro de sete pessoas que morreram no início dos anos 90, entre 54 e 87 anos. No remoto laboratório florestal, longe de fontes generalizadas de poluição magnética, incluindo fumaça de carros e cinzas de cigarro, e protegido por folhas conhecidas por absorver partículas magnéticas, os cientistas colocaram suas fatias em um dispositivo que mede as forças magnéticas.

Depois de fazer uma leitura de controle, os pesquisadores colocaram as fatias do cérebro ao lado de ímãs muito fortes para magnetizar as amostras e depois fizeram outra leitura. Se a fatia contivesse partículas magnéticas, essas partículas apareceriam como uma leitura no magnetômetro.

(Não se preocupe com as partículas do seu cérebro magnetizando na vida cotidiana, no entanto: o tipo de ímã usado no experimento é muito mais forte do que qualquer coisa que você encontraria na natureza, disse o principal autor Stuart Gilder, professor de geofísica. na Universidade Ludwig-Maximilian de Munique, o ímã no estudo era de 1 tesla forte, ou 20.000 vezes mais forte que o campo magnético da Terra, que é cerca de 50 microteslas de forte.)

Os cientistas descobriram que a maioria das partes do cérebro pode ser magnetizada. Em outras palavras, todas essas áreas continham partículas magnéticas. Mas em todos os sete cérebros, o tronco cerebral e o cerebelo tinham maior magnetismo que o córtex cerebral superior. Tanto o tronco encefálico quanto o cerebelo estão nas porções lombares do cérebro, e ambos são mais evolutivamente antigos que o córtex cerebral.

Ainda não está claro por que as partículas aparecem nesse padrão de concentração, disseram os cientistas. Mas como os pesquisadores descobriram o padrão em todos os cérebros analisados, “provavelmente tem ou teve algum tipo de significado biológico”, disse Gilder.

Por exemplo, como essas partículas estavam mais concentradas mais abaixo no cérebro e depois afuniladas mais acima, elas provavelmente têm um papel em ajudar os sinais elétricos a se deslocarem da espinha para o cérebro, disse Gilder à Live Science. No entanto, ele ressaltou que a descoberta permanece totalmente aberta à interpretação.

Além disso, como as partículas não foram encontradas especificamente em concentrações mais altas perto do bulbo olfatório – que é o que aconteceria se as partículas fossem absorvidas do ambiente – Gilder disse que não acredita que as partículas sejam o resultado da exposição à poluição. (Aqui, a ideia é que as partículas seriam inaladas pelo nariz e passariam para o bulbo olfativo do cérebro.)

Joseph Kirschvink, professor de geobiologia da Caltech que não fazia parte do estudo, disse que a nova pesquisa é “um avanço muito importante, pois exclui fontes óbvias de contaminação externa” da poluição. Contaminação é sempre possível “, mas não seria o mesmo em vários indivíduos”, disse ele ao Live Science em entrevista por email.

Os pesquisadores levantaram a hipótese de que o tipo de partícula magnética encontrada nessas regiões do cérebro é um composto chamado magnetita (Fe3O4), baseado em estudos anteriores que encontraram essa partícula em cérebros humanos. É possível, no entanto, que outros tipos de partículas magnéticas existam no cérebro além da magnetita, observou Gilder.

Muitos animais também possuem partículas magnéticas em seus cérebros. Algumas pesquisas anteriores sugeriram que animais como as enguias ou tartarugas marinhas usam essas partículas para ajudar na navegação. Mas Gilder disse que apenas um grupo de criaturas é definitivamente conhecido por usar partículas de magnetita para se orientar no espaço: bactérias magnetotáticas. Essas bactérias migram ao longo das linhas do campo magnético do campo magnético da Terra.

Os humanos, por outro lado, provavelmente não fazem isso, disse Gilder.

Caroline Ramos