Televendas: 11 4226-5509
WhatsApp: 11 99948-2568
INDÚSTRIA
BRASILEIRA
ATENDEMOS TODO O BRASIL
E AMÉRICA LATINA
FABRICAMOS
SOB MEDIDA
FINANCIAMOS EM
ATÉ 48x via BNDES

Ímãs para tornar a cirurgia menos invasiva

Dr. Jeffrey Cadeddu teve a ideia de usar ímãs em cirurgia laparoscópica depois de ver crianças na década de 1990 com piercings magnéticos.

Você já ouviu falar em cirurgia minimamente invasiva -chamada de cirurgia laparoscópica? Em vez de fazer um grande corte em um paciente, e mover tecidos e órgãos que estão no caminho, os médicos fazem cortes menores e concentram-se apenas na área que precisam, com a ajuda de uma pequena câmera.

ímãs em cirúrgias
ímãs em cirúrgias

A cirurgia pode se tornar ainda menos invasiva com um novo método sendo desenvolvido no Texas pelo Dr. Jeffrey Cadeddu que está na vanguarda da pesquisa que se concentra em uma ferramenta simples: ímãs.

Cadeddu, professor de urologia do Centro Médico Southwestern da Universidade do Texas, especializado em cirurgia laparoscópica assistida por robô, assistia ao noticiário da TV um dia no final dos anos 90, quando uma história chamou sua atenção.

“Eles estavam falando sobre crianças que teriam, em vez de piercing de seus lábios, eles teriam pregos e era magnético”, diz Cadeddu.

As crianças podiam até mesmo mexer nesses piercings de lábio falso usando suas línguas para mover os ímãs – e Cadeddu diz que isso lhe deu uma ideia.

“Oh wow. Podemos fazer a mesma coisa em cirurgia: colocar um ímã do lado de fora do paciente e colocar um instrumento de algum tipo com um ímã no interior do paciente”, diz ele. “E então não teríamos que fazer furos extras; nós poderíamos colocá-los dentro do paciente através de um buraco e depois mover tudo ao redor com ímãs do lado de fora. ”

No momento, a maioria das cirurgias laparoscópicas exige pelo menos um ou dois cortes “extras” para mover órgãos internos que não estão sendo reparados durante a cirurgia.

“Se você está fazendo uma cirurgia de vesícula biliar para mover o fígado ou os intestinos, se eu fizer uma cirurgia de próstata, eu preciso fazer um furo extra em um paciente apenas para afastar os intestinos”, diz Caddedu.

Então, Cadeddu descobriu que ele poderia usar ímãs para manter esses órgãos fora do caminho. Ele trabalhou com uma equipe na UT-Southwestern para fazer isso acontecer. Eles encontraram uma empresa para desenvolver as ferramentas, fizeram anos de pesquisa e testes e, finalmente, buscaram a aprovação da FDA, mas Cadeddu diz que o processo não foi totalmente tranquilo.

“Nós atingimos um obstáculo, e o FDA, em 2008, não foi receptivo. Então eu meio que desisti do meu plano”, ele diz.

Então, cerca de cinco anos depois, ele ouviu de outra empresa, a Levita Magnetics, que estava desenvolvendo uma ferramenta baseada no mesmo princípio de usar ímãs. Cadeddu diz que o FDA acabou aprovando a ferramenta de Levita em vez da dele. Mas por causa do trabalho anterior de Cadeddu, Levita entrou em contato com ele e agora ele trabalha como consultor não remunerado para a empresa. Ele também é um dos primeiros médicos do país a usar e avaliar a tecnologia, e está fazendo isso na UT-Southwestern. Ele tem sentimentos mistos sobre como tudo acabou.

“Espero que você faça isso pelas razões certas, não por qualquer ganho financeiro”, diz Cadeddu. “Mas se houver algum tipo de decepção, eu diria que também há alguma satisfação de que minha ideia tenha sido muito boa há 15 anos atrás … Só poderia ter sido um pouco à frente do seu tempo.

A outra satisfação do Cadeddu é como a tecnologia beneficia os pacientes.”Com intervenções menores temos menos risco e menos dor”, diz ele.

Até agora – ele diz – tão bem. Mas a tecnologia é nova; no momento, só está disponível na UT Southwestern e em outro hospital nos EUA. Embora Cadeddu tenha dito que até agora toda a pesquisa foi positiva, sempre pode haver riscos que ainda precisam ser descobertos. Ainda assim, ele diz que está animado com o que vem a seguir.

“Poderíamos imaginar, você sabe, até mesmo fazer tesouras magnéticas e robóticas e outras tecnologias mais avançadas. Você sabe, parece clichê, mas o céu é o limite”, diz Cadeddu.

Conheça agora todos os tipos de ímãs fornecidos pela MagTek

Caroline Ramos