Televendas: 11 4226-5509
WhatsApp: 11 99948-2568
INDÚSTRIA
BRASILEIRA
ATENDEMOS TODO O BRASIL
E AMÉRICA LATINA
FABRICAMOS
SOB MEDIDA
FINANCIAMOS EM
ATÉ 48x via BNDES

Apanhador de satélite usará ímãs para limpar lixo espacial

Tecnologia japonese prevê o uso do magnetismo para evitar acidentes

Os varredores espaciais do Japão estão tomando para si mesmo o trabalho de ajudar a limpar o espaço.

Cento e setenta milhões de pedaços de detritos espaciais atualmente orbitam a Terra, de acordo com estimativas da Agência Espacial Européia (ESA). Os satélites de guerra e outros objetos artificiais se aproximam da atmosfera a oito quilômetros por segundo – 10 vezes mais rápido do que uma bala.

Apanhador de Satélites
Apanhador de Satélites

Alguns pedaços são tão grandes como um caminhão, outros menores que um centavo. Mas mesmo o mais minúsculo pedaço de lixo cósmico representa uma enorme ameaça para outros satélites e espaçonaves.

Uma colisão com um ponto de um centímetro de detritos espaciais à velocidade orbital, por exemplo, tem a força de energia equivalente de uma granada de mão explosiva, de acordo com Heiner Klinkrad, chefe do escritório de detritos espaciais na ESA. Quando um acidente como este ocorre, fragmentos se dispersam em torno do espaço, aumentando o risco de novos acidentes.

lançando rede
lançando rede

A empresa de serviços de satélites com sede em Cingapura, Astroscale, recrutou uma equipe de especialistas em “Varredor espacial” para desenvolver tecnologias-chave para destruir detritos espaciais, forçando-o a entrar na atmosfera onde ele irá queimar após a reentrada.

Em 2016, a empresa obteve US $ 35 milhões em fundos de risco, a maior parte da qual veio da Innovation Network Corporation do Japão.
“Da construção ao lançamento bem-sucedido, é uma missão extremamente desafiadora”, disse o presidente da Astroscale Miki Ito.

Carregando satélite
Carregando satélite

Como destruir detritos

De sua fábrica em Tóquio, a Astroscale atualmente está desenvolvendo dois tipos de satélite. Um é um micro-satélite que irá coletar dados em tempo real sobre lixo espacial menor que um milímetro. Os dados serão utilizados para desenvolver um mapa de detritos orbitais atualizado, que poderá ser vendido para acadêmicos, agências internacionais e operadores corporativos de satélites.

O outro – chamado Serviço de fim de vida da Astroscale (ELSA) – capturará e removerá a nave espacial extinta pertencente aos operadores de satélites.

A ELSA está atualmente na fase de projeto, mas a Astroscale planeja usar ímãs e um método secundário não revelado para capturar satélites. Uma vez capturado, a ELSA forçaria os detritos para a atmosfera terrestre e ambos se queimariam.

“Nós equipamos [ELSA] com câmeras – sensores que podem medir distâncias e coisas assim”, explica Ito. “Ao usar esses sensores e câmeras, determinamos a localização de [o satélite], para facilitar a captura”.

Astroscale está planejando uma demonstração de ELSA para outubro de 2019.

Tanto a NASA quanto a ESA há muito tempo estão estudando tecnologias para abordar, capturar e destruir órbitas de objetos defeituosos. As tecnologias de captura propostas incluem redes, braços robóticos e arpões.

Veja agora os ímãs comercializados pela MagTek

Caroline Ramos